Fátima assina termo de posse à frente do RN. ( Foto: arquivo/web )

O ex-governador Robinson Faria (PSD) voltou a usar as redes sociais nesta segunda-feira (15) para falar de política. Dessa vez, critica o discurso da atual governadora, sua sucessora Fátima Bezerra (PT), sob o titulo “Um democrata tolera críticas, mas não pode aceitar mentiras”.

“Eu apoiei Fátima no segundo turno por entender que ela era a melhor das duas opções que restaram. Não condicionei isso a nada. Sinceramente, nem esperei gesto de reconhecimento dela. Agora, tenho que tolerar, em silêncio, suas críticas e ataques desde que ela assumiu. Mas não posso aceitar mentiras”, escreveu.

No segundo turno, Robinson não chegou a dar declarações públicas em favor da então candidata Fátima, mas a rivalidade com o outro candidato, Carlos Eduardo (PDT), fez com que sua militância e parte de seu partido fossem liberados a fazer campanha à candidata petista. No primeiro turno, ele saiu em terceiro lugar, com 192.037 votos (11,85%).

Banco Mundial

“Ela dizer em sua propaganda que o projeto do Banco Mundial estava encerrado e que foi ela quem o salvou, não é verdade. Eu deixei a prorrogação desse projeto até 2021, já aprovado pelo banco e pelo avalista do empréstimo, que é o Governo Federal, a quem coube a palavra final. E ficou quase metade do dinheiro disponível para ela aplicar, para ela dar continuidade às obras em andamento ou previstas para essa etapa final. Aliás, foi comprovado pelo próprio diretor do Banco, Martín Riasen, quando veio ao RN no final do meu mandato, em entrevista à Intertv Cabugi. Fátima foi ao banco depois de eleita, sim, justamente porque pedi que isso fosse recomendado a ela. Meus auxiliares a avisaram que o banco esperava a afirmação de compromisso do novo governante eleito para que não houvesse riscos de ‘solução de continuidade’ do projeto”.

O ex-governador segue o longo post enumerando obras de seu governo, em busca de reconhecimento. “[…] Qual a dificuldade em ela reconhecer isso? Fale dos problemas mas se é pra ser justa reconheça também o que deixei de realizações e recursos assegurados. Fátima tem um grande desafio: reequilibrar o estado e dialogar com o governo federal e com os partidos para cumprir os muitos compromissos que ela assumiu em campanha. Rogo e torço que ela consiga. Até porque ela tem condições políticas que eu não tive. E é por isso que o RN precisa, espera e merece”, concluiu.

A gestão Robinson (2015 – 2018) foi encerrada com imenso desgaste popular, sobretudo por conta dos sucessivos atrasos salariais, que acabaram por ofuscar importantes obras.