O Tribunal do Júri Popular de Mossoró, julgou e condenou nesta segunda feira 23 de setembro, o réu, Manoel de Oliveira de Sousa, a 12 anos de prisão pela co-autoria do assassinato  de Gilmar de Sousa Barros, crime ocorrido no dia 23 de maio de 2014 no Bairro Bom Jesus em Mossoró.

Segundo a denuncia do Ministério Público Estadual, o réu Manoel de Oliveira pilotava a moto que tinha como garupa, Flávio Bezerra da Silva, o “Erê”, que atirou na vítima com uma espingarda calibre 12.  Após o crime, os dois criminosos passaram em frente a casa da vítima e efetuaram  disparos, deixando moradores da vizinhança apavorados.

O advogado de defesa, Tomaz Neto, tentou convencer o conselho de sentença de que seu cliente não teria participado do crime e levantou a tese de negativa de autoria, mas os sete jurados decidiram acatar a tese do MPRN que pedia a condenação do réu e o condenaram. A pena de 12 anos de prisão em regime fechado foi prolatada pelo juiz presidente do Tribunal do Juri Popular de Mossoró, Dr. Vagnos Kelly de Figueiredo.

O autor dos disparos, que mataram Gilmar de Souza Barros, o Erê não chegou a sentar no banco dos réus pelo crime que cometeu, já que ele foi assassinado antes mesmo de ir a julgamento.