Juiz considerou “frágeis” as provas de autoria em relação a outro roubo — Foto: Reprodução

Por Blog do BG — O assaltante e travesti Pedro Magno de Carvalho Marques, preso pela Polícia Militar, no início de setembro passado, após ter praticado um arrastão em uma imobiliária em Natal, junto com mais dois comparsas, está livre. Isso mesmo. Cerca de dois meses na cadeia foi tempo suficiente para a Justiça conceder relaxamento de prisão, por não existir provas suficientes para incriminá-lo em outro assalto onde é suspeito.

A decisão foi do juiz Rogério Januário de Siqueira, da 8ª Vara Criminal da Comarca de Natal, requerida não pelo advogado do preso, mas a pedido do Ministério Público do RN, através do promotor Moisés de Araújo Martins, que considerou “frágeis” as provas de autoria em relação a outro roubo, além da imobiliária, praticado pelo mesmo grupo dias antes.

O fato vem gerando polêmica. Uma fonte do BLOG do BG classificou como inconcebível a decisão do MPRN, que, após receber o inquérito relatado pela Polícia Civil, em vez de oferecer denúncia pelos crimes cujas provas já estavam reunidas, mantendo, assim, o suspeito preso, tenha preferido solicitar ao Judiciário a soltura de Pedro Magno, enquanto está sendo requerida maior apuração acerca de um terceiro crime pelo qual ele também foi indiciado.