Rosineide Rosa Xavier Lemos e Marcos Roberto Paulino Lemos, presos em Aparecida de Goiânia — Foto: Reprodução

A vendedora Rosineide Rosa Xavier Lemos e o companheiro dela, Marcos Roberto Paulino Lemos, foram presos, nesta sexta-feira (21), em Aparecida de Goiânia, suspeitos de matar, Maria Eduarda Marques da Silva, de 11 anos, irmã adotiva de Rosinede. De acordo com a Polícia Civil, o crime ocorreu em 2013, em Alagoas, motivado por interesse em herança.

Em entrevista ao G1, Berenaldo de Souza Lessa Júnior, do Grupo de Investigação da Delegacia-Geral (GIDG) de Alagoas, disse que Rosineide e Marcos haviam sido presos na época do fato, mas foram colocados em liberdade após vencimento do mandado de prisão temporária. Após o laudo que indicou sangue no carro do homem ter sido concluído, os dois já não haviam sido mais localizados no estado.

“A partir de então, nós começamos a apurar onde que o casal estaria. Nós conseguimos apurar que, em 2014, os dois se mudaram para Aparecida de Goiânia, fugiram para cá, e estabeleceram vida por aqui. Ele trabalhando como lanterneiro e ela em um supermercado, como vendedora. Com a ajuda da inteligência da Polícia Civil de Goiás conseguimos confirmar o endereço dos dois, culminando na prisão”, disse.

Rosineide e Marcos foram presos nesta sexta-feira, na casa em que estavam morando há 4 anos, em Aparecida de Goiânia. O crime ocorreu no dia 11 de dezembro de 2013, em Dois Riachos, no sertão de Alagoas. De acordo com a polícia, Maria Eduarda foi encontrada morta com vários golpes de faca na casa onde morava com os pais, na Avenida Frei Damião.

Conforme Berenaldo, o crime pode ter sido motivado por interesse na herança do pai adotivo da vítima e da suposta autora.

“O pai da acusada criou ela e a vítima, que era bem mais nova que ela. Ao que parece, até então, é que ela e o marido planejaram matar a criança pois, com ela morta, os dois seriam os herdeiros únicos dos pais, que, pelo apurado, eram donos de um supermercado na cidade”, contou ao G1.

De acordo com o GIDG, os dois devem responder por homicídio duplamente qualificado. Eles devem ser transferidos para Alagoas nesta sexta-feira.