Nashika Bramble deixou as suas duas filhas – Makayla Roberts, de 10 anos, e Hannah Marshall, de 8 – morrerem após um culto afirmar que elas eram “impuras”. A progenitora foi condenada pela juíza do caso a duas penas de prisão perpétua, uma por cada menina.

O caso ocorreu em Telluride, no estado norte-americano do Colorado. Os cadáveres das duas crianças foram encontrados em avançado estado de decomposição em setembro de 2017 dentro de um carro de marca Toyota, revelou o jornal britânico Metro.

A autópsia revelou que Makayla e Hannah morreram de calor, fome e desidratação e que teriam ficado no interior do veículo pelo menos duas semanas antes de morrerem.

Nashika Bramble fazia parte de um culto chamado ‘A Família’ e o líder teria dito à mãe que as suas filhas estavam possuídas e eram “impuras”. Isto teria levado a progenitora a abandoná-las e, posteriormente, à morte das meninas.

Bramble não terá oportunidade de pedir liberdade condicional pelos seus crimes.