Fátima Bezerra (PT), eleita nova governadora do Rio Grande do Norte. ( Foto: José Aldenir / Agora RN )

A governadora eleita do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), afirmou nesta terça-feira, 6, que não vai se comprometer a nomear para o cargo de delegado-geral de Polícia Civil um dos integrantes da lista tríplice que a Associação dos Delegados do Rio Grande do Norte (Adepol) está elaborando.

De acordo com Fátima, “sugestões” são bem-vindas, mas a prerrogativa para indicar o próximo delegado-geral é sua. “É um ato legítimo. Isso faz parte do exercício da participação da sociedade. Mas eu não tenho a obrigação de aceitar que o nomeado venha a ser uma das três pessoas apontadas. Essa responsabilidade é minha, enquanto governadora delegada pelo povo do Rio Grande do Norte”, destacou a petista, em entrevista ao Jornal da Cidade, da 94 FM.

Pela primeira vez na história, a Adepol anunciou que vai entregar à governadora eleita uma lista tríplice, com três sugestões de nomes para a Delegacia-Geral de Polícia Civil. Para Fátima, não há um dispositivo legal que a obrigue a acatar a sugestões da entidade. “Não tem nenhum instrumento do ponto de vista legal que normatize a lista tríplice. A função de escolher os colaboradores e de nomeá-los é intransferível”, acrescentou.

A governadora eleita assinalou também que pretende realizar, durante sua gestão, concursos regulares na área de segurança pública para recompor o número de agentes. “O Rio Grande do Norte não pode conviver com esses índices assustadores de criminalidade que assolam o nosso Estado. Isso é uma tragédia que não começou hoje. O Estado que passa 13 anos sem fazer concurso já evidencia o quanto a questão da segurança não foi tratada com a devida prioridade”.

Fátima Bezerra disse que vai organizar as contas do Estado e enquadrar a gestão nos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal para que sobre dinheiro para a realização de concursos. “O déficit na Polícia Militar é de 10 mil agentes. A Polícia Civil trabalha com 30% do efetivo necessário. Temos de equipar a Polícia Civil e equipar o Itep para termos o necessário, que é investigação eficiente. Além disso, vamos instituir um seguro de vida para policiais em atividade e ter um centro para capacitação de agentes”, finalizou.