Izabella Camargo foi demitida da Globo. ( Foto: Reprodução/Globo )

Demitida da TV Globo por causa de uma grave doença, Izabella Camargo precisou pedir para deixar seu cargo de assessora de Marcos Pontes, que é Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do governo de Jair Bolsonaro. A jornalista possui a Síndrome de Burnout, desenvolvida por exaustão durante seu trabalho na emissora.

Nesta quinta-feira (18), o ministro deixou uma mensagem à ex-funcionária e mostrou a grande comoção que a sua saída causou. “Faz alguns dias que eu estou tentando falar contigo, a agenda está meio doida, mas eu queria falar para você o seguinte, no ano passado, quando a gente conversou no ano passado eu sonhei muito com você vindo para cá, no ministério, e isso aconteceu! Durante 100 dias a gente teve a chance de visitar lugares, você teve um trabalho brilhante”, declarou Marcos Pontes.

“Compreendo que o problema que você tem é complexo. Confesso que não conhecia antes. Mas fiquei triste, lógico, quando vi seu pedido para sair, mas compreendo suas razões. É importante cuidar da saúde, ter esse tempo para você”, continuou o astronauta brasileiro.

Ele ainda escreveu no seu perfil: “Izabella Camargo nos deu muito durante o tempo que esteve conosco, ensinando a todos como nós podemos olhar para dentro para buscar mais e crescer como pessoas e líderes que somos. Seus novos projetos ganharão energia, profissionalismo e serão incríveis. Obrigado por tudo e conte comigo”.

O transtorno que Izabella Camargo sofre se caracteriza por um estresse absurdo, extremo, superior à capacidade pessoal de lidar com questões da rotina de modo eficicaz, e é relacionado somente ao trabalho. Estima-se que cerca de 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofram com a doença, segundo dados da International Stress Management Association (Isma).

A jornalista já havia comentado sobre o assunto e toda a polêmica envolvendo sua demissão da TV Globo. “Fiz muitas terapias alternativas, psicólogas, cuidando de dentro e de fora. Muita respiração e meditação. Além de tomar café, energético, procurei um endocrinologista e comecei a tomar remédio para me dar mais energia. Não me orgulho disso porque foi a pior coisa que eu fiz. Eu ultrapassei o meu limite para dar conta do que eu não tinha controle. Extrapolei o meu limite”, revelou ela.

Ela disse que todos os sintomas começaram a aparecer porque ela precisava acordar 1h da manhã para comparecer ao trabalho. “Não começa de um dia para o outro. A corda arrebenta quando você passa do limite. O meu corpo começou a acumular um déficit que era provocado pela falta de sono. Comecei a ter crises de choro, crises nervosas. [Pensei] ‘Ué, mas eu faço meditação todo dia, pilates, RPG, uso floral… Por que estou tendo taquicardia?”