Como membro da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do RN, o deputado estadual participou nesta quinta-feira (9), da Reunião Extraordinária da Comissão de Finanças e Fiscalização, com o objetivo de analisar o Relatório de Prestação de Contas da Gestão do SUS estadual, apresentado pelo secretário de saúde, Dr. Cipriano Maia e equipe da Sesap, referente ao último quadrimestre de 2017 e os três de 2018.

Dr. Bernardo e os demais parlamentares relataram a preocupação com as demandas reprimidas nas cirurgias eletivas e emergenciais, como também discutiram outras problemáticas da saúde pública.

O deputado abordou os gastos excessivos com exames, que precisam ser reavaliados e otimizados, reduzindo o custo destes procedimentos. *”A Secretaria de Saúde do estado gasta muito mais dinheiro no diagnóstico de doenças, do que com tratamento e prevenção. Infelizmente, alguns exames são realizados desnecessariamente”*, ressaltou.

*”Isso é um dos gargalos seríssimos, pois o dinheiro da saúde pública que é pouco, está indo pelo ralo e a gente precisa rever, diante da crise financeira que estamos passando. É preciso envolver todos os atores para que possamos resolver essa problemática”*, afirmou Dr. Bernardo.

*”O interesse econômico muitas vezes sobrepõe os interesses da saúde”*, enfatizou Dr. Cipriano Maia. Alegou que é difícil fazer gestão com a precariedade dos recursos públicos, pois o recurso de 16 milhões mensais destinado à secretaria, não é suficiente para sustentar todo Estado. Em relação aos exames, disse que é preciso ser feito um trabalho de atenção básica, com profilaxia de doenças e campanhas de conscientização para se evitar a prática desnecessária de requisições.

*”Hoje a atenção básica precisa ser revista, não só na questão de solicitação de exames, mas das fichas de referências. Os municípios precisam contratar médicos para fazer uma triagem no atendimento clínico”*, declarou Dr. Bernardo.

O parlamentar também abordou a temática dos acidentes no trânsito, devido ao alto índice de pacientes nos hospitais públicos. *”Precisamos discutir medidas e apresentar soluções. Por isso, dia 11 de junho vou promover uma Audiência Pública sobre os Acidentes de Trânsito e suas Consequências, pois além das mortes e sequelas, gera grande impacto econômico nas despesas da saúde do Estado ”*, destaca.