Gabriela Moura morreu após ser baleada durante uma blitz, em Irecê (Foto: reprodução/Facebook)
A vocalista da banda de forró, Sala de Reboco, Joelma Rios, comentou sobre a ação da Polícia Militar que matou a bailarina Gabriela Moura e feriu o sanfoneiro Elielson Possidônio, no município de Irecê, interior da Bahia, na madrugada desta sexta-feira (05).
Em entrevista à rádio Líder FM, a cantora afirmou que em nenhum momento a polícia sinalizou que se tratava de uma blitz.

“Nenhum momento deu sinal que era polícia. No decorrer do percurso, as meninas ficaram apavoradas. Com medo, pedimos para o motorista acelerar. Quando entramos nas ruas, o Cláudio [motorista] voltou. Na avenida principal já vimos eles [policiais] no meio e alvejando a gente. Não deu tempo de fazer nada, foi bala por cima de bala. Atitude muito violenta. Até agora estou sem entender”, lembrou a cearense.

O motorista do veículo, Cláudio Pereira Batista, foi encaminhado para o 7º Batalhão de Polícia Militar (BPM/Irecê), e no local foi realizado um acompanhamento, porque os agentes afirmaram que ele “desobedeceu as ordens de parada manobrando perigosamente pelo acostamento”.

O sanfoneiro do grupo, que ficou ferido, também comentou o caso e afirmou que a nota da PM que diz que o motorista tentou fugir da blitz é “mentirosa”. “Por nós estarmos num carro dessa qualidade, uma Hilux, a gente pensou que fosse bandido correndo arás da gente e ficamos com receio de ser bandido e fazer mal com as meninas ou levar nossos pertences. Então a gente acelerou”, afirmou.

Além de Cláudio, Joelma e Elielson, também estavam no veículo duas bailarinas identificadas como Gabriela Moura e Suelen Sodré Mendonça Pinheiro. A primeira foi baleada, chegou a ser atendida, mas não resistiu e morreu. O corpo da vítima foi encaminhado para o Instituto Médico Legal de Irecê. O caso será investigado pela Polícia Militar.