Jácome lembrou que, como deputado federal, trabalhou para endurecer as leis (Foto: Divulgação)

Os governos estaduais estão perdendo a guerra contra o crime. Os índices de homicídio são assustadores e superam os de países em guerra. A população está com medo e com razão. O governo federal criou o Ministério da Segurança e lançou do Plano Nacional de Segurança, mas isso não trouxe qualquer resultado positivo. Nem a intervenção federal no Rio de Janeiro surtiu efeito.

Mas o que está dando errado na luta contra a criminalidade no país? Jácome, candidato ao Senado pelo Podemos/RN, disse em entrevista à Rádio 98 FM nesta quarta-feira, 12, que o problema é a falta de integração das forças e da inteligência para vencer esta crise.

Para Jácome, o Brasil precisa de um “pacto nacional pela vida” que envolva as esferas de governo, instituições e sociedade civil. “O novo governo e o novo congresso precisam chamar a sociedade para enfrentar essa questão. Somente uma cruzada nacional contra a violência e pela paz é capaz de solucionar esta questão”, disse Jácome.

O candidato lembra que Pernambuco reduziu o índice de violência com uma ação neste sentido e servirá de espelho para uma ação em todo o Brasil. Para ele, é necessário ainda reforçar as polícias civil, militar e federal, dar poder de polícia as guardas municipais, além de criar outras forças dentro de um projeto amplo e integrado. “Um conjunto de ações precisa ser efetivado para enfrentarmos este problema tão grave”, reforçou.

O candidato citou o sistema de câmeras implantado nas ruas de Pau dos Ferros, no alto Oeste, para exemplificar como ações simples e a participação da sociedade, do empresariado, igrejas, e outras instituições, em conjunto com os poderes públicos, podem trazer resultados significativos. Esta medida, realizada pela iniciativa privada, ofereceu um novo serviço às polícias civil e militar e assegurou a redução na criminalidade local.

Jácome lembrou ainda que, como deputado federal, trabalhou para endurecer as leis, defendendo projeto que amplia a pena para quem mata ou lesiona um oficial da lei. No Senado, pretende reforçar ações neste sentido tornando mais severas penas de violência contras as mulheres e outros crimes graves. “Combater a violência precisa ser uma ação de todos e eu, no Senado, me dedicarei muito a esta causa porque quero a paz e o sossego de volta nos lares do povo do meu Brasil”, completou.