Mortes em Ceará-Mirim teriam mesmas características, segundo MPRN (Foto: Mirella Lopes/Inter TV Cabugi )

Um agente da Polícia Civil foi preso na manhã desta terça-feira (10) suspeito de fazer parte de um grupo de extermínio responsável por mais de 50 assassinatos que aconteceram somente este ano em Ceará-Mirim, na Grande Natal. As informações são do Ministério Público.

Além dele, também foram cumpridos mandados de prisão preventiva contra um vigilante e uma mulher. Como o processo está sob segredo de Justiça, os nomes não foram divulgados.

Segundo apurado pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e pela Força Nacional (FN), o policial civil, que trabalha na delegacia de São Gonçalo do Amarante, também na Grande Natal, usava o cargo para orquestrar crimes e prejudicar as investigações. O grupo de extermínio que ele integra, segundo o MP, é apontado como responsável por mais de 50 assassinatos somente este ano em Ceará-Mirim.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRN apurou que a maioria dos homicídios ocorridos este ano em Ceará-Mirim tem a mesma característica: as vítimas são mortas quase sempre nos mesmos horários, após arrombamento das casas onde estavam, são pessoas ligadas a atos ilícitos e são executadas de forma brutal, geralmente com tiros na cabeça e na região cervical.

Além disso, os assassinos utilizam roupas pretas e capuz para dificultar a identificação.
O Ministério Público já apresentou denúncia contra os três presos. Na investigação, o MPRN mostra a necessidade da prisão deles para a garantia da ordem pública. “Isso devido à periculosidade do agente e à sua acentuada propensão para, em liberdade, praticar outros delitos”, informou o MP.

Crescimento de 207% nos homicídios

De acordo com o Observatório da Violência Letal Intensional (Óbvio) – instituto que contabiliza as mortes violentas no Rio Grande do Norte – 126 pessoas foram assassinadas em Ceará-Mirim de 1º janeiro até esta terça-feira 10 de outubro. O número representa um crescimento de 88%, em relação ao mesmo período de 2016, quando foram registrados 67 crimes semelhantes.

Se comparado ao mesmo período de 2015, quando foram registrados 41 assassinatos, o município teve aumento de 207%. Com isso, Ceará-Mirim se tornou a segunda cidade mais violenta do Rio Grande do Norte, superando Mossoró, que tem 3,5 vezes sua população de 73.849 pessoas, segundo o IBGE. No ranking da violência, a cidade ficou atrás apenas de Natal, capital do estado.