© Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, nesta terça-feira (5), que vai continuar desafiando o juiz Sergio Moro, o Ministério Público e a Polícia Federal a apresentar provas contra ele.

Em um discurso endereçado a estudantes e apoiadores, Lula recomendou que seus simpatizantes prestem atenção no que ouvem porque, segundo ele, “a mentira hoje chega em tempo real”.

“Olha o que estão fazendo comigo neste momento. Eu poderia estar nervoso. Poderia estar irritado. Sei o que querem”, afirmou.

O discurso aconteceu um dia depois de o desembargador João Pedro Gebran Neto concluir seu voto sobre recurso apresentado pelo petista TRF-4 (Tribunal Regional Federal) após a condenação no caso do tríplex.

CONDENAÇÃO

Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro, em primeira instância, e recorreu ao Tribunal Regional Federal em Porto Alegre.

Sem mencionar a decisão, Lula aconselhou os militantes a não se preocuparem. “Não se preocupem comigo. Vocês sabem que tenho nove processos. Nove. O processo contra o Lula é o processo contra as coisas que fizemos no governo”, afirmou ele.

O ex-presidente disse ter desafiado Moro a apresentar um centavo de deslize que tenha cometido. Minutos depois, arrematou: “Vou continuar desafiando o juiz, o promotor e a Polícia Federal”.

Após relatar aos simpatizantes detalhes da operação da PF em sua casa e nas de seus filhos, Lula voltou a cobrar um pedido de desculpas dos agentes da Lava Jato. Disse que, quando encontram evidências, “fazem um carnaval. Quando não encontram, ficam em silêncio”. “Eles resolveram brigar comigo. Resolvi enfrentá-los”.

AZEDUME

O ex-presidente disse que “o país está azedo”, “disseminado pelo ódio”. “Tem dias que você levanta e tem vontade de cobrir a cabeça e voltar a dormir”, disse, durante encontro com alunos do IFES.

Segundo ele, o “alarmismo é uma coisa absurda”. Ao mencionar notícias que antecederam sua visita ao Rio de Janeiro, Lula disse que a violência sempre existiu no Estado.

“Ele está muito mais violento, porque, primeiro, todos os governantes estão presos”.

Ao defender a eficácia de políticas sociais no combate à violência, Lula citou a entrevista do traficante Antônio Francisco Bonfim Lope, o Nem da Rocinha.

“Tem um bandido, Nem, não sei se vocês já viram, que deu uma declaração há quatro anos dizendo que quem mais combateu a violência no Rio fui eu. Ele era chefe do narcotráfico na Rocinha e, por causa do PAC, perdeu 50 homens.”