Corpo foi encontrado em uma área de dunas, no terreno de uma casa na praia de Santa Rita (Foto: Kleber Teixeira/Inter TV Cabugi)

Um jovem de 22 anos, também suspeito de participação no latrocínio (roubo seguido de morte) do empresário natalense Lourenço Salvino da Silva, de 51 anos, foi preso pela Polícia Militar neste sábado (14). Ele foi entregue à PM pelos pais. Uma mulher suspeita de ser a mentora do assalto, da morte e da ocultação do corpo se entregou também neste sábado.

Na manhã desta sexta (13), pouco antes de a polícia encontrar o corpo do empresário enterrado no terreno de uma casa de praia entre Santa Rita e a Redinha, na Zona Norte de Natal, uma adolescente de 17 anos foi apreendida. Foi ela quem revelou onde o empresário havia sido enterredo.

De acordo com a Polícia Militar, o jovem preso neste sábado confessou ter sido ele que esfaqueou e matou o empresário. De acordo com o delegado responsável pelo csao, Marcelo Aranha, a mulher que se apresentou e o jovem vão permanecer preso, pois já existe um mandado de prisão expedido contra eles. “Conseguimos a ordem de prisão nesta sexta-feira. Dela e dos dois comparsas, que efetivamente mataram o empresário”, acrescentou.

O crime

Lourenço Salvino da Silva tinha 51 anos (Foto: Arquivo da Família)

Ainda de acordo com o delegado Marcelo Aranha, o empresário foi vítima de uma emboscada. Ele foi chamado pela adolescente até a casa de praia. Quando chegou ao imóvel, a adolescente e a amiga, que também estava na casa, chamaram dois homens para assaltá-lo. “Foi quando Lourenço acabou assassinado, provavelmente a facadas. Roubaram o celular e dinheiro dele. Depois, enterraram o corpo no terreno da casa e se desfizeram do carro”, detalhou.

O caso

Dono de uma loja de bombas de água no bairro da Ribeira, na Zona Leste de Natal, Lourenço foi visto pela última vez com vida no dia 27 de março, quando saiu do trabalho.

Dois dias depois, o carro dele, uma Hilux de cor azul, foi encontrada em um matagal nas proximidades do condomínio Jacarepaguá, que fica em São Gonçalo do Amarante, na região metropolitana da capital potiguar.

“O veículo estava intacto por fora, mas por dentro estava revirando, como se procurassem alguma coisa de valor. E o visor do DVD estava quebrado”, revelou João Freire, filho do empresário.