Avô de Emanuelly, Luiz Carlos Alves, se emociona ao falar da morte da neta (Foto: Lucas Cerejo/TV TEM)

O avô paterno da menina Emanuelly Aghata da Silva, de 5 anos, que teria sido morta pelos pais em Itapetininga (SP), afirmou que o filho Phelipe Douglas Alves, pai da menina, era violento quando usava drogas e que já até chegou a agredi-lo.

Phelipe, de 25 anos, e a esposa Débora Rolim da Silva, de 24 anos, tiveram a prisão preventiva decretada no sábado (3) e estão na penitenciária de Tremembé.

“Ele era usuário de drogas. Não só ele como a esposa também. O Phelipe era muito violento quando usava droga. Fora de série. Quando ele estava sem nada, era um anjo. Quando usava droga mudava tudo. Ficava violento. Eu mesmo ele agrediu por causa da droga”, afirmou Luiz Carlos Alves.

Emanuelly Aghata da Silva morreu ao ser espancada supostamente pelos pais (Foto: Reprodução/TV TEM)

Segundo o avô, ele sempre notou marcas de agressão no corpo da criança e questionava os pais sobre elas. Porém, ele alega que o filho e a nora diziam sempre que a menina vivia caindo.

“Muitas vezes eu chegava e via ela machucada, parte vermelha pelo corpinho e algumas marcas roxas. Ela era bem quieta e até demorava para comer. Quando eu perguntava, a mãe dizia que tinha caído. Eu sabia que não era, mas ficava quieto para evitar confusão. Eu desconfiava”, diz.

Ainda segundo o idoso, ele se arrepende de não ter denunciado o filho.

Casal é preso suspeito de matar filha de 5 anos em Itapetininga (Foto: Reprodução/Facebook)

“Eu não sabia o que realmente acontecia na casa. Quando eu visitava estava tudo bem, mas achava estranho aquelas manchas. Um certo ponto eu me arrependo de não ter denunciado. Eu pensei muito tarde. Era pra eu ter pensado nisso desde quando eu comecei a reparar. Já era pra eu ter desconfiado”, ressalta emocionado.